Mercado editorial e interseccionalidade

Um olhar sobre as listas de livros mais vendidos entre 2020-2022

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31657/rcp.v7i13.649

Resumo

Tomando como base as listas de livros mais vendidos entre os anos de 2020 e 2022, publicadas pela PublishNews e Amazon, o artigo tem como objetivo analisar a relação entre consumo no mercado editorial e as interseccionalidades, buscando evidenciar quais vozes são consumidas pela população brasileira. A metodologia é pautada na roleta interseccional, ferramenta proposta por Fernanda Carrera (2021) e que visa mostrar o potencial da comunicação como caminho para expor injustiças representacionais e discursivas. A partir da análise feita, foi possível perceber que as listas de livros mais vendidos revelam matrizes de privilégio ao serem compostas, majoritariamente, por sujeitos que remetem ao padrão universalizado: homens, brancos e estadunidenses. Em contraponto, as minorias sociais são vistas esporadicamente, como uma cota de diversidade.

Biografia do Autor

  • Pablo Moreno Fernandes, Universidade Federal de Minas Gerais

    Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFMG. Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP. Vice-líder do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Raça e Gênero (Coragem) e integrante do Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo (GESC3).

  • Rannyson da Silva Moura, Universidade Federal de Minas Gerais

    Mestrando em Comunicação pelo Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais, publicitário pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Integrante do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Raça e Gênero (Coragem).

Downloads

Publicado

27/10/2023

Como Citar

Mercado editorial e interseccionalidade: Um olhar sobre as listas de livros mais vendidos entre 2020-2022. (2023). PAULUS: Revista De Comunicação Da FAPCOM, 7(13). https://doi.org/10.31657/rcp.v7i13.649