A fungibilidade da interseccionalidade

uma leitura Afropessimista

Autores

  • Sirma Bilge

DOI:

https://doi.org/10.31657/rcp.v7i13.672

Resumo

O que torna a interseccionalidade um recipiente vazio no qual estudiosos de todas as faixas podem projetar convenientemente suas próprias preocupações e se sentir completamente legitimados a fazê-lo? O que autoriza o fácil afastamento das feministas negras de sua inovação teórica, a interseccionalidade? Com estas perguntas polêmicas, o artigo envolve uma constelação de conceitos tipicamente ligados ao afropessimismo (fungibilidade negra, alienação natal, pós-vida da escravidão) para propor respostas exploratórias. Apesar da falta de fortes afinidades entre essas duas vertentes da teorização negra, interseccionalidade e afropessimismo, esta última fornece uma lente interpretativa útil para iluminar a reforma feminista pós-negra da primeira na academia contemporânea. Trazendo evidências da fungibilidade dos corpos e saberes das mulheres negras dentro das atuais relações
acadêmicas com a interseccionalidade, esta investigação também convida todos os estudiosos engajados na interseccionalidade a construir uma frente defensiva contra o extrativismo acadêmico violento que se desdobra através do afastamento das mulheres negras e do feminismo negro da interseccionalidade.

Downloads

Publicado

27/10/2023

Edição

Seção

Artigo Internacional

Como Citar

A fungibilidade da interseccionalidade: uma leitura Afropessimista. (2023). PAULUS: Revista De Comunicação Da FAPCOM, 7(13). https://doi.org/10.31657/rcp.v7i13.672